Laboratório Nacional
de Luz Síncrotron

English

Demandas Tecnológicas do Projeto Sirius

VOLTAR

O projeto Sirius tem como um dos seus objetivos estimular o desenvolvimento da indústria brasileira, por meio da indução de demandas de serviços, matérias-primas e equipamentos. As parcerias com empresas nacionais são estabelecidas em formatos variados, que se estendem desde acordos de cooperação com desenvolvimento conjunto entre o laboratório e a empresa, até o fornecimento de itens tecnológicos de alta qualidade e precisão.

Somente em 2016, mais de 200 empresas brasileiras, de pequeno, médio e grande portes estavam envolvidas em alguma parceria no âmbito do projeto Sirius – isso sem contar aquelas envolvidas nas demandas para as obras civis, que são gerenciadas pela construtora Racional Engenharia.

Em meio a este universo, cerca de 40 empresas têm trabalhado em desenvolvimentos tecnológicos especialmente para o Projeto Sirius.

Pode-se destacar, por exemplo, como exemplo, a parceria realizada com a empresa Termomecânica São Paulo S. A., de São Bernardo do Campo (SP), líder no setor de transformação de metais não ferrosos. A empresa desenvolveu o processo para fabricação das câmaras de vácuo do anel de armazenamento, feitas de uma liga de cobre e prata, bem como dos fios de cobre ocos para os eletroímãs, que permitem circulação de água para refrigeração.

A empresa WEG Indústrias S. A., de Jaraguá do Sul (SC), uma das maiores fabricantes de motores elétricos do mundo, está fabricando os mais de mil eletroímãs do Sirius, projetados pela equipe técnica do LNLS.

Existem também exemplos de parcerias com empresas de menor porte, com a FCA Brasil, para a fabricação das câmaras de vácuo do Booster; com a EXA-M Instrumentação do Nordeste Ltda., para o desenvolvimento e fabricação dos dispositivos para aquecimento (baking) das câmaras de vácuo do anel de armazenamento; com a Engecer Ltda., para a fabricação de câmaras cerâmicas constituídas por nitreto de boro hexagonal e nitreto de alumínio;  com a BrPhotonics para o desenvolvimento de detectores de raios X com transferência de dados de alta capacidade.

Mais recentemente, novos acordos de desenvolvimento em parceria com empresas foram fechados, como o projeto das cabanas experimentais de proteção radiológica pela Biotec, os desenvolvimentos dos berços – de concreto e metálicos – de sustentação dos ímãs pelas empresas Leonardi e JPHE, o fornecimento de niveladores dos magnetos pela Toyomatic, a fabricação das placas de sincronismo pela Produza e das placas de circuito impresso de alta complexidade pela Lauquen.

Parcerias Sirius


Para ampliar a participação de empresas nacionais no projeto Sirius, outras ações sistemáticas foram realizadas. Tomando como base a análise de risco de 73 produtos que devem ser desenvolvidos, e considerando – além das áreas de atuação da indústria brasileira – o mercado para esses produtos e o desenvolvimento tecnológico requerido, foram escolhidos 29 desafios tecnológicos para serem desenvolvidos em parceria com a indústria brasileira.

Iniciou-se, em seguida, a busca por parcerias através de conversas com agências de fomento e associações de industrias. Em junho de 2013, o LNLS promoveu o Workshop Parcerias Sirius, visando apresentar a empresas os desafios do projeto Sirius e o modelo de seleção de parceiros. Das 50 empresas participantes, 21 enviaram cartas de intenção, demonstrando o interesse em desenvolver algum dos desafios apresentados durante o evento.

1° Edital FAPESP/Finep


Finalmente, negociações junto à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e à Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (FAPESP) culminaram no lançamento, em setembro de 2014, da primeira chamada pública para seleção de empresas paulistas para o desenvolvimento de 20 das demandas tecnológicas do projeto Sirius, com recursos da ordem de R$ 40 milhões.

Esses recursos foram disponibilizados no âmbito do Programa PIPE/PAPPE Subvenção Econômica, de modo que cada proposta pudesse solicitar até R$ 1,5 milhão para seu desenvolvimento.

Saiba mais sobre o 1º Edital no website da FAPESP.

Foram selecionadas oito empresas que desenvolverão 13 projetos de pesquisa para a realização dos desafios propostos no edital. Considerando que as taxas de sucesso de programas como o PIPE estão entre 20% e 40%, vê-se que o modelo construído entre o LNLS/CNPEM e FAPESP/Finep foi bem-sucedido quanto ao percentual de projetos aprovados. A homologação das empresas e assinatura dos termos de outorga ocorreu ao longo do segundo semestre de 2015.

As empresas e propostas selecionadas foram:

  • Atmos Sistemas Ltda.: Desenvolvimento Final de Dispositivo Eletrônico para Medida de Posição de Feixe de Elétrons (EBPM) para Fonte de Luz Síncrotron do Projeto Sirius;
  • Engecer Ltda.: Desenvolvimento do Processo de Produção de Cerâmicas Covalentes (Nitreto de Boro Hexagonal e Nitreto de Alumínio) por Prensagem e Quente (Isostática e Uniaxial) como Componente para para o sensor BPM (Beam Position Monitor);
  • FCA Brasil Indústria Comércio Usinagem Peças Ltda.: Pesquisa e Desenvolvimento de Câmaras Especiais de Inox para Ultra-Alto Vácuo do Projeto;
  • Equatorial Sistemas S.A.: Detectores de Raios X: Integração de Sistemas Medipix de Grande Área para o Sirius;
  • Equatorial Sistemas S.A.: Monitores Fluorescente Fluorescentes de Feixe de Elétrons;
  • Equatorial Sistemas S.A.: Bloqueador de Fótons;
    Macnica DHW Ltda.: Módulos de Regulação Digital de Fonte;
  • Omnisys Engenharia Ltda.: Módulos de Regulação Digital de Fonte;
  • Omnisys Engenharia Ltda.: Fabricação, Montagem e Testes das Placas Eletrônicas (Front End, FMC e Back End);
  • Omnisys Engenharia Ltda.: Eletrônica dos Detectores de Posição de Fótons;
  • Omnisys Engenharia Ltda.: Fontes de Corrente de Alta Potência – Fase 2;
  • Luxtec Sistemas Opticos Ltda. Epp.: Projeto, Desenvolvimento e Fabricação de Protótipos de Componentes para Microfocalização de Raios X por Reflexão Externa Total, Mono e Multifilamentares para Linhas de Aceleradores Síncrotron;
  • Opto Eletrônica S.A.: Desenvolvimento de Processos de Fabricação e Caracterização de Componentes Ópticos de Altíssima Qualidade para Aplicação Em Sistemas de Focalização de Luz Síncrotron do Tipo Kirkpatrick-Baez.

Em Junho de 2016, FAPESP, Finep e LNLS realizaram o Workshop de Acompanhamento dos Projetos do 1° Edital FAPESP/Finep “Desafios Sirius” de subvenção econômica para o Desenvolvimento do Novo Anel Acelerador Sirius do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron que contou com a presença de representantes das agências e do Laboratório, assim como de representantes das empresas aprovadas no primeiro edital.

As empresas foram convidadas a apresentar o projeto pelo qual são responsáveis, o estágio de execução, as dificuldades encontradas e os resultados já obtidos nos primeiros meses do contrato. Foram 12 apresentações com o acompanhamento e interação de gestores das agências e dos envolvidos no LNLS.

2° Edital FAPESP/Finep


Em agosto de 2015, uma segunda chamada pública de propostas foi lançada para o desenvolvimento de 13 novos desafios tecnológicos, com recursos da ordem de R$ 20 milhões no âmbito do mesmo programa.

O prazo final para envio das propostas pelas empresas foi encerrado em fevereiro de 2016. As propostas foram analisadas e, em dezembro, foram anunciados 11 novos projetos que receberão apoio para o desenvolvimento de produtos, processos e serviços para o Sirius.

As informações sobre a segunda etapa do Desafio Sirius estão disponíveis no website da FAPESP.

As empresas e propostas selecionadas foram:

  • PROMAC Equipamentos MS Ltda – Desenvolvimento de processos de fabricação e soldagem das câmaras de ultra alto vácuo para elementos óticos dos projetos Sirius;
  • WISERSOFT Tecnologia em Sistemas Ltda – Desenvolvimento do trem de monitoramento de túnel;
  • Tecnal Industria Comercio Importação Exportação Equip Laboratórios – Pesquisa, desenvolvimento e validação de um banho termostatizado inovador produzido no Brasil;
  • PHI Innovations Sistemas Eletrônicos Ltda – Controlador e driver para motor;
  • FCA Brasil Industria Comercio Usinagem Peças Ltda – Desenvolvimento de câmaras de ultra vácuo em alumínio para elementos ópticos das linhas de luz do Sirius;
  • BIOTEC Solução Ambiental Industria e Comércio Ltda – Desenvolvimento de cabanas experimentais para proteção radiológica (Hutches) para nova fonte de Luz Sincrotron do projeto Sirius (Linha Ema), com fabricação, montagem e testes de um protótipo;
  • RF Com Sistemas Ltda – Cabanas experimentais e óticas de blindagem radiológica para o projeto Sirius;
  • Duraferro Industria Comércio Ltda – Desenvolvimento de cabanas de proteção radiológica para operação nas linhas de processamento experimental da fonte de Luz Sincrotron Sirius;
  • TECNO-HOW Eng. Industrial e Comercial Ltda – Desenvolvimento de processo e teste de conceito aplicando manufatura aditiva e tecnologias adicionais para fabricação de soluções inovadoras e funcionais para linhas ultra alto;
  • Marco Antonio Barboza ME – Sistema de baking modular para câmaras de vácuo e outras aplicações correlatas;
  • Setup Automação Controle de Processos Ltda – Sensor hidrostático com três graus de liberdade para medição de nível e inclinação de água de alta precisão.